Cirurgia Ortognática BH

A Cirurgia Ortognática contribui para promover um equilíbrio entre as proporções faciais, melhorando a estética facial e a mordida, a fala e até a respiração. Com isso, esse procedimento cirúrgico pode ser estético e, ao mesmo tempo, funcional. Em ambos os casos, a cirurgia poderá contribuir para melhorar a autoestima de quem se sente incomodada (o) com a desarmonia facial.

Duração do procedimentoCerca de 4 horas.
Quem pode fazerMulheres e homens com desarmonia facial e que apresentam problemas com a mastigação, a fala ou com a respiração.
Pós-operatórioVocê ficará em repouso durante os primeiros 20 dias e ingerir apenas líquidos e alimentos pastosos. A mastigação normal ocorrerá em aproximadamente 50 dias.

O procedimento pode ser realizado em todas as mulheres e homens adultos que estão incomodadas (o) com uma aparente desarmonia facial. Essa assimetria pode resultar de um crescimento inadequado dos ossos da face, podendo afetar a saúde e o bem-estar da pessoa.

A cirurgia é, geralmente, realizada no interior da boca e consiste em movimentar os ossos da face para uma nova posição na melhor posição possível. Para isso, é necessário que o cirurgião deixe a estrutura óssea mais “solta” durante o procedimento para, então fixar uma nova posição facial, geralmente utilizando placas e parafusos de titânio. É recomendado um tratamento com aparelhos dentários antes da cirurgia, se os dentes estiverem desalinhados.

As alterações cirúrgicas são visíveis após algumas semanas do pós-operatório, porém ainda haverá um inchaço na região, que diminuirá com o tempo. A dor no pós-operatório é rara, mas, se houver, o médico poderá receitar medicamentos específicos.

É importante conversar com o médico sobre seu histórico de doenças, tratamentos, uso de medicamentos, alergias, cirurgias prévias, histórico médico familiar e etc. Após essa conversa inicial, o cirurgião indicará alguns exames pré-cirúrgicos (exames de laboratoriais de rotina, bem como o risco cirúrgico e outros) para estudar sua condição de saúde atual. Aproveite esses momentos iniciais para esclarecer TODAS as suas dúvidas com relação à Cirurgia Ortognática.

Já no dia da cirurgia, o médico lhe pedirá para realizar um jejum e chegar ao hospital com antecedência e com um acompanhante para internação.

A cirurgia é permanente?

Sim. Porém, nos casos em que há má oclusão (mordida), o paciente deve, após a cirurgia, continuar um tratamento para a correção completa desse problema.

Mova a barra central para ver o antes e depois.
Imagens meramente ilustrativas de caráter educativo. Não devem ser interpretadas
como garantia de resultados.

Cirurgia dos Maxilares

A cirurgia ortognática, também conhecida como cirurgia dos maxilares, visa corrigir a posição do osso maxilar e/ou da mandíbula. Ou seja, tenta ajustar deformidades ósseas a fim de obter um equilíbrio no sistema estomatognático levando em consideração as características faciais do paciente.

A mandíbula e/ou a maxila na posição anatômica pode proporcionar um equilíbrio nas proporções faciais, além de promover alterações nos tecidos moles: queixo, bochechas, lábios e nariz.

No passado as máoclusões dentárias e esqueléticas eram tratadas apenas por meio da ortodontia. Aparelhos ortodônticos fixos e móveis eram utilizados para alinhar a posição dos dentes na arcada dentária, a fim de alcançar melhor contato entre os dentes e melhorar a função mastigatória, mas esses tratamentos não alteram a posição óssea. Frequentemente, o perfil do rosto não se equilibra com esse tipo de tratamento.

Razões para a fazer:

  1. Alterações das proporções faciais
  2. Distúrbios das relações dentárias – má oclusão dentária
  3. Problemas de articulaçãona articulação têmporomandibular
  4. Problemas mastigatórios
  5. Apneia do sono – distúrbios respiratórios
  6. Falta de aceitação com as aparências faciais – distúrbios psicológicos

O que é a Cirurgia Ortognática?

A cirurgia ortognática (cirurgia dos maxilares) é um procedimento para correção cirúrgica de anormalidades ósseas maxilo-mandibular. Assim, ela pode restaurar a simetria e as proporções faciais, normalizar a mordida e, consequentemente, restaurar a saúde e melhorar a qualidade de vida.

Quando os dentes se fecham incorretamente devido a deformidade óssea, o uso de aparelhos ortodônticos pode ser uma medida espetacular, porém em alguns casos poder ser necessário “devolver” os ossos à sua posição.

Quando o ortodontista percebe que o problema não pode ser tratado apenas com aparelho, geralmente ele encaminha o paciente a um cirurgião.

O que é Cirurgia Ortognática Minimamente Invasiva?

É um conjunto de técnicas e procedimentos que tornam a operação o mais confortável possível. Todas as manipulações para corrigir a má oclusão do adulto e os defeitos ósseos faciais são realizadas através da cavidade oral, com o número mínimo necessário de procedimentos cirúrgicos e uma incisão mínima.A cirurgia ortognática não deixa cicatrizes no rosto, todas as manipulações são realizadas pela boca com incisões mínimas. Por esse motivo, não apenas a duração da operação é reduzida, mas também o período de recuperação após a redução.

Quem Precisa de Cirurgia Ortognática?

Podem se beneficiar aqueles pacientes que apresentam mastigação incorreta ou arcos dentários mal posicionados devido a desequilíbrios no crescimento da mandíbula e/ou maxila. Essas alterações podem criar uma série de problemas na função mastigatória, na ventilação e na saúde da boca a longo prazo, além de sérios prejuízos no aspecto estético.

Pacientes que podem necessitar da cirurgia:

  • Mordida aberta (incapacidade de fechar os dentes)
  • Mandíbula pequena e queixo para trás
  • Prognatismo com mordida cruzada
  • Apneia do sono e dificuldades respiratórias durante o sono
  • Incapacidade de fechar lábios sem esforço
  • Dificuldade em morder e mastigar
  • Dificuldade em engolir e falar
  • Dor crônica na mandíbula e dor de cabeça

Qualquer crescimento desigual ou desproporcional da mandíbula/maxila, trauma facial ou defeitos congênitos produzem problemas e sintomas que requerem o trabalho de uma equipe composta por cirurgião maxilofacial, ortodontista e dentista. Para entender se o seu caso precisa de cirurgia, procure um cirurgião maxilofacial.

Perguntas e respostas

1 – A cirurgia deixa cicatrizes visíveis?

Geralmente não. Praticamente todos os cortes durante cirurgias ortognáticas são realizados no interior boca. Portanto não é comum a presença de cicatrizes visíveis.

2 – Qual a melhor idade para realizar essa cirurgia?

Geralmente, as cirurgias ortognáticas são realizadas após a finalização do desenvolvimento corporal. Algumas vezes essa situação ocorre precocemente, antes dos 16 anos de idade. Deve-se lembrar que as cirurgias ortognáticas são procedimentos essenciais para o tratamento da má-oclusões cujo tratamento é menos complexo em crianças e adolescentes do que em adultos. Além disso, dependendo do tipo de deformidade, a cirurgia é realizada no início, durante ou apóso tratamento ortodôntico.

3 – Existe outra alternativa?

Se o seu caso se qualifica para cirurgia ortognática, mas você não deseja se submeter ao procedimento, uma alternativa é a chamada “camuflagem ortodôntica”. Essa tática consiste em melhorar as condições oclusais movendo os dentes com aparelhos ortodônticos, sem mover os ossos maxilares.

Como fruto do tratamento, a mordida em si é melhorada, mas não as características faciais. Além disso, o deslocamento excessivo dos dentes também pode resultar em problemas periodontais e das articulações mandibulares ou dificultar um possível retorno dos dentes à sua posição original.

4 – Como deve ser a preparação?

Para preparar o paciente é necessária uma consulta inicial para verificar a necessidade e planejar as etapas do tratamento.

Nas consultas subsequentes serão analisadas a história clínica e o estado geral de saúde do paciente, assim como exames radiográficos, fotos e análise dos modelos dos arcos dentários para se entender melhor os movimentos ósseos necessários..

Como em toda cirurgia,no período que a antecede, é recomendado interromper o uso de alguns medicamentos que possam interferir na anestesia e no processo de cicatrização, tais como contraceptivos orais, aspirina, terapias de reposição hormonal e anticoagulantes.O sucesso da intervenção depende também de um preparo psicológico e físico.

5 – Riscos: quais são?

Algumas complicações podem ocorrer, mesmo quando tomadas todas as precauções antes, durante e após a cirurgia pelo seu cirurgião e por você. Até certo ponto, algumas complicações podem ser evitadas, porém outras situações podem ocorrer:

  • Infecção
  • Parestesia nervosa parcial ou total
  • Dor na articulação temporomandibular
  • Dano ou necrose de um dente
  • Fratura inesperada da mandíbula

Todos os cirurgiões têm o dever de explicar os possíveis riscos associados à cirurgia ortognática para todos os pacientes antes do procedimento. Não hesite em fazer todas as perguntas que lhe vierem à mente durante as consultas! Assim você poderá entender os riscos e sentir-se confiante antes de tomar sua decisão de prosseguir ou não com a operação.

6 – Cirurgia Ortognática é muito perigosa?

Não! A maioria das operações de reposicionamento da mandíbula ou para correção das assimetrias ósseas não deixa marcas ou cicatrizes. Além disso, todos os pacientes são submetidos a inúmeros exames pré-operatórios e a alta hospitalar geralmente ocorre em até 24h após a cirurgia para minimizar os riscos, que sempre existirão!

7 – O que é mordida aberta e assimetria mandibular?

Mordida aberta é quando os dentes superiores e inferiores não se encontram quando a boca está fechada, deixando um espaço entre as arcadas. Já a assimetria mandibular ocorre quando o queixo e os dentes são desviados para um dos lados.

Conclusão

O sucesso da cirurgia depende da gravidade do defeito e do estágio em que a deformidade facial se encontra, do tratamento ortodôntico eficaz e de um cirurgião experiente.

O Dr. Geraldo Capuchinho é cirurgião plástico e maxilofacial membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e da Associação Brasileira de Cirurgia Crâniomaxilofacial e realiza cirurgia ortognática avançada para melhor a estética facial sem, no entanto, se esquecer de restaurar a mordida normal e de manter a boa função das articulações temporomandibulares.